Levante de Mulheres entrega manifesto com mais de 40 mil assinaturas em Brasília

via Brasil de Fato – RS

O movimento #MulheresDerrubamBolsonaro entrega à presidência da Câmara dos Deputados o Manifesto das Mulheres Brasileiras, nesta quinta-feira (02), e promove um ato na capital federal, que será transmitido ao vivo. O documento, assinado por mais de 40 mil mulheres e apoiado por 150 organizações da sociedade civil e que pede às instituições da República providências para interromper o mandato de Jair Bolsonaro, será encaminhado por parlamentares presentes na sessão do plenário.

O manifesto diz: “Já fomos às ruas dizer que ‘Quem Ama não Mata’, lutamos pelas ‘Diretas Já’, pelo ‘Fora Cunha’, ‘Não ao golpe’, ‘Fora Temer’, dissemos ‘Nenhuma a menos’. Bebemos da experiência das Marchas das Margaridas, da Marcha de Mulheres Negras, e, nas últimas eleições, gritamos que ‘Ele não’! Agora, voltamos para avisar: ‘Ele Cai!’”

Entre as parlamentares que vão encaminhar o manifesto estão Fernanda Melchionna (PSOL-RS), Natália Bonavides (PT-RN) e Perpétua Almeida (PCdoB-AC). “Bolsonaro é o verdadeiro inimigo do povo brasileiro. Levou o que temos de pior na política brasileira para Palácio do Planalto. As mulheres vão derrubar esse machista, lgbtfóbico e racista em defesa das liberdades democráticas!” afirmou a parlamentar gaúcha nas redes sociais.

O movimento solicita ao presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, a abertura do processo de Impeachment. Ao Tribunal Superior Eleitoral, o pedido de cassação da Chapa Bolsonaro/Mourão. À Procuradoria Geral da República, que provoque o Supremo Tribunal Federal na responsabilização do presidente pelo desrespeito à Constituição, por apologia ao fascismo, ao racismo, à ditadura e pelas 60 mil mortes provocadas pela covid-19, sem a adoção de uma política emergencial de saúde que pudesse enfrentar a pandemia. Essas instituições da República também receberão o Manifesto.

Ato público

O Levante de Mulheres, autor do Manifesto – composto por mais de 200 brasileiras de diversos movimentos feministas, antirracistas, indígenas, LGBTQI+, de defesa de direitos, e que se abrigam sob hashtag #MulheresDerrubamBolsonaro – fará um uma manifestação, a partir de 15h desta quinta-feira, em dois pontos da capital federal: no Gramado da Câmara Federal e na calçada em frente ao TSE.

Conforme o movimento, trata-se de um ato político para reforçar o pedido de providências às instituições. Serão realizados jograis, performances, cantos e manifestações ritualísticas. “É preciso haver “abertura de caminhos para o Novo Momento político que reivindicamos e pelo qual lutamos, assim como para a proteção de todas as mulheres envolvidas nesta grandiosa ação política”, dizem as organizadoras do ato, que destacam que todos os cuidados de prevenção ao novo coronavírus serão tomados.

Live

O movimento também realiza uma live, das 15h às 17h, em suas redes sociais – YouTubeInstagramFacebook e Twitter (@Derrubam) – em que divulgará a movimentação nos gramados da Câmara e na porta do TSE. Além de acompanhar momentos da sessão da Câmara, serão ouvidas lideranças que apoiam o movimento #MulheresDerrubamBolsonaro e deputadas da Frente Parlamentar Feminista, Antirracista Com Apoio Popular.

A ancoragem da live será realizada pelas coordenadoras do Levante, Analba Brazão Teixeira, da Articulação de Mulheres Brasileiras e SOS Corpo – Instituto Feminista para a democracia, e Patrícia Zaidan, jornalista, psicóloga e feminista. Nos atos em Brasília, quem acompanha é a publicitária preta e periférica Ludimilla Teixeira, do Movimento Mulheres Contra Bolsonaro (MUCB).

Stop Bolsonaro


Em frente ao Congresso Nacional, manifestantes fincaram 1 mil cruzes brancas  / Renato Cortez

No último domingo (28), o movimento #MulheresDerrubamBolsonaro reforçou a manifestação mundial “Stop Bolsonaro” (“Pare, Bolsonaro”, em tradução literal), em protesto contra a postura do presidente da República diante da pandemia. Na capital federal, manifestantes fincaram 1 mil cruzes brancas em frente ao Congresso Nacional, para lembrar simbolicamente das milhares de pessoas mortas pela covid no Brasil.

A ação fez parte de um movimento internacional chamado ‘StopBolsonaroMundial’ e ocorreu em pelo menos 70 cidades de 24 países. A ideia surgiu a partir da mobilização de brasileiros que vivem no exterior. República Dominicana, Itália, Alemanha, Espanha, Áustria, Inglaterra e Nova Zelândia estão entre os pontos do globo que entraram na rota dos protestos.


Manifestação simbólica em Porto Alegre, que não realizou ato público devido à pandemia / Divulgação

“Desde que o clã Bolsonaro apoiado por uma rede de mentiras e notícias falsas chegou ao poder, não paramos de nos organizar nas redes e nas ruas. O silêncio nunca foi uma opção! Por nós e por eles, lutaremos! Por todos os humanistas lutam pelas mesmas causas. Somos muitos/as e estamos espalhados/as pelo mundo inteiro. Outros atos pacíficos em defesa de direitos e da democracia brasileira estão sendo planejados. Fora, Bolsonaro!”, afirma o movimento em nota.

Confira um vídeo do movimento divulgado nesta terça-feira (30):

Edição: Marcelo Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *